Entrada Franca
De 7 a 10 de Abril
no kartódromo municipal

# DanadodeBom

Nordestinos-cubatenses são homenageados

Nordestinos-cubatenses que ajudaram a Cidade a crescer e contribuíram para o desenvolvimento e o reconhecimento da cidade foram homenageados pela prefeita Marcia Rosa, em solenidade realizada na tarde desta quinta-feira, no gabinete da Prefeitura.

O cearense Adriano de Souza Taveira, a pernambucana Maria Francisca da Silva Lima - carinhosamente chamada de Dona Pequena -, o baiano João de Deus Santana - conhecido como João do Coco -, o piauiense Lourimar Vieira, o cubatense André Serapião e a pernambucana Josinete Lica da Silva - a Neta do Bolsão - 8 foram escolhidos como os homenageados desta 4ª edição do Festival da Cultura Nordestina - Cubatão Danado de Bom, que será realizado de 7 a 10 de abril, no Kartódromo Municipal. Os homenageados, com exceção de Adriano, que mora em Londres e não pôde estar presente na cerimônia, receberam uma placa das mãos da chefe do Executivo.

Para a prefeita Marcia Rosa, o Cubatão Danado de Bom é uma marca registrada não de um governo, mas da cidade. "Esse evento é do povo, faz parte da nossa cidade, pois Cubatão é a cidade mais nordestina fora do Nordeste e merece esse reconhecimento. Além disso, esta edição será ainda mais especial, pois marca também o aniversário do município".

Os homenageados - Adriano de Souza Taveira chegou a Cubatão aos 18 anos, em 1987. Nascido em Morada Nova (CE), o jovem pretendia ficar por aqui só um ano para juntar dinheiro, voltar à terra natal e comprar uma sanfona. Mas os planos mudaram e lá se vão quase três décadas. Hoje ele é dono de uma das maiores firmas de locação de andaimes do Município e nunca abandonou a música. Faz parte das bandas Trio Asa Branca e Forró Sanfonado. "Pra mim essa homenagem é muito importante. Dedico a todos nordestinos que estão na Baixada Santista e principalmente em Cubatão. Eu vim pra essa cidade procurar emprego e hoje emprego pessoas", disse orgulhoso.

Maria Francisca da Silva Lima, nascida em Bezerros (PE), ganhou fama na cidade por seus dotes culinários e por sua simplicidade. Aos 23 anos, embarcou com o marido em uma Brasília amarela com destino a Cubatão. Vivem até hoje em Pinheiro do Miranda, onde são donos do boteco mais conhecido do bairro. O talento de Dona Pequena tornou o lugar uma referência na Cidade em comida nordestina de boa qualidade. "Eu gosto muito do que faço, e faço com amor e muito carinho. Agradeço demais essa homenagem, que representa uma alegria enorme pra mim", destacou Dona Pequena.

Simpatia em pessoa, João de Deus Santana, um dos vendedores ambulantes mais antigos de Cubatão, não conseguia conter sua alegria por conta da homenagem. Seu ganha-pão fica em frente à Igreja Matriz há 42 anos. Começou vendendo pipoca, mas, depois, "para diversificar o negócio", decidiu vender coco gelado. Natural de Cipó (BA), aos 16 anos já trabalhava na lavoura e decidiu sair da casa dos pais para procurar emprego, vindo parar em Cubatão. "Eu estou muito feliz por ser reconhecido e por estar aqui hoje. Amo esse povo, é muito bom alegre e simpático", agradeceu João.

Natural de Oeiras (PI), o ator Lourimar Vieira se mudou para Cubatão aos 13 anos, em 1979. Anos depois, ajudou a criar a primeira companhia teatral do Município, a Magia da Cidade, que durou até 1996. No ano seguinte, fundou o Teatro do Kaos. É também idealizador do espetáculo Caminhos da Independência, que conta a passagem de Dom Pedro I por Cubatão pouco antes de proclamar a Independência. "Eu tenho orgulho de dizer que sou piauiense e amo, amo, amo a cidade de Cubatão. Essa cidade tem algo que acalma as pessoas. Obrigado por essa homenagem".

Neta do Bolsão 8, como é conhecida a pernambucana Josinete Lica da Silva, chegou a Cubatão em 1980 para viver com o pai. Dona de um pequeno comércio no bairro, na frente da própria casa, é idealizadora da quermesse junina do Bolsão há 20 anos. A festa é famosa em toda a Cidade pelas atrações musicais e opções gastronômicas. "Não sou cubatense de sangue, mas sou de coração. É maravilhoso receber essa homenagem, me sinto honrada por poder representar esse povo que tanto amo", destacou Neta.

Por conta da distância, Carlos André Serapião de Souza não pode estar presente ao evento desta quinta-feira, mas desembarcará em Cubatão na próxima semana para prestigiar o festival. Nascido em Cubatão, Serapião, 40 anos, passou a infância na Cidade. Mas, desde os 22, mora na Inglaterra, onde é professor de forró e organizador do Festival de Forró de Londres. O gosto pelo ritmo veio dos avós paternos, nascidos na Bahia. Ele realiza oficinas de forró até na Alemanha, Noruega, França e Rússia.

A quarta edição do Danado de Bom tem patrocínio da Elog; apoio da Unipar Carbocloro; parceria da Associação Comercial e Industrial de Cubatão (ACIC), Ciesp Cubatão E Santos e Região Convention & Visitors Bureau e realização da Lei de Incentivo à Cultura, Ministério da Cultura, Governo Federal, Prefeitura Municipal de Cubatão e Associação dos Artistas.